Nummer 14

Johan Cruyff foi, muito provavelmente, o homem que maior influência teve na evolução do jogo de futebol, tal como o conhecemos hoje.

De um modo geral, o mundo progride compassadamente. Há momentos, porém, em que, por um conjunto de factores nem sempre fáceis de explicar, o progresso é feito por esticões da responsabilidade de um único indivíduo. Em determinadas alturas, em circunstâncias especialmente favoráveis, aparece um homem que, a posteriori, nos parecia fadado para mudar o mundo. É assim que olhamos retrospectivamente para os legados de Galileu, Newton ou Napoleão, por exemplo. Mais do que os representantes máximos da espécie, vemo-los quase como criaturas semi-divinas, e tendemos a reservar-lhes na nossa imaginação o mesmo espaço que reservamos aos mitos. E, no entanto, será que esses homens geniais fariam hoje parte da memória colectiva se não fossem as circunstâncias favoráveis em que tiveram a oportunidade de viver e de se distinguir? Se o telescópio não tivesse sido inventado previamente, Galileu não teria feito as descobertas que fez em Março de 1610, as quais lhe granjearam a reputação pela qual é hoje conhecido. Se a peste negra que assolou o território britânico em 1666 não tivesse obrigado a fechar o Trinity College, em Cambridge, e Newton não passasse um ano em casa, o seu annus mirabilis provavelmente não teria ocorrido. Sem a Revolução Francesa, a instabilidade política subsequente, o advento da meritocracia e, no fundo, circunstâncias aparentemente tão irrelevantes como o cerco de Toulon, dificilmente o génio militar de Napoleão teria produzido as consequências avassaladoras que produziu.

Johan Cruyff foi, muito provavelmente, o homem que maior influência teve na evolução do jogo de futebol, tal como o conhecemos hoje. Mas, como qualquer homem genial, é filho das circunstâncias. Dificilmente teria sido o pensador original que revelou ser, capaz de influenciar tanta gente, se não tivesse tido a oportunidade de ser o treinador que foi, e dificilmente teria sido esse treinador se não tivesse tido antes a oportunidade de jogar sob as ordens de Rinus Michels (no Ajax, no Barcelona e na selecção holandesa) e não se tivesse transformado num determinado tipo de jogador por causa dessa oportunidade… (continua)

 

Para continuar a ler, comprar a Revista #0

Nuno Amado